Vez e Voz (2) 2008

Vez e Voz (2) 2008

Autores/as

Vários.

Sinopse

Este número da revista da Animar, Vez e Voz, é dedicado à igualdade de género.

Editora

Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local

Sobre

EDITORIAL
5 Uma questão de desenvolvimento
David Marques

7 As questões de género na aula
Artemisa Coimbra
27 O desafio do mainstreaming
Rosa Monteiro
35 O papel das organizações do terceiro sector na promoção da igualdade entre mulheres e homens - que efectividade?
Mónica Lopes
51 Violência doméstica e género
Raquel Cardoso

REGISTOS
64 Boas práticas portuguesas no co-financiamento de projectos sobre igualdade de género
Maria do Rosário Fidalgo
72 A Igualdade de Género como exercício de cidadania
Célia Lavado

87 NOTÍCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Operárias e burguesas. As mulheres no tempo da República
Igualdade de género em Portugal
Imigração e etnicidade. Vivências e trajectórias de mulheres em Portrugal
O livro negro da condição das mulheres
Dicionários de mulheres rebeldes
As mulheres na União Europeia. História, trabalho e emprego
Violência contra as mulheres na família
Global Report on Trafficking in Persons
The Global Gender Gap Report 2008

91 ESTATUTO EDITORIAL
92 NORMAS DE PUBLICAÇÃO

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

EDITORIAL
Uma questão de desenvolvimento

Desde as primeiras e pioneiras intervenções territoriais, desenvolvidas no quadro dos princípios e das práticas do Desenvolvimento Local em Portugal, que as questões de género assumiram primordial atenção e relevância. Esta situação aconteceu naturalmente, pois quando as pessoas e as suas iniciativas estão no centro do nosso trabalho a perspectiva de género tende a impor a sua presença. Contudo, só ganhou uma particular e determinante importância em função do modelo de desenvolvimento em que se sustenta este trabalho.

Desencadear processos de desenvolvimento local, iniciativas e empreendimentos sustentáveis exige, de quem nestes se envolve, uma atitude permanente de promoção da inclusão, um maior e mais esclarecido envolvimento dos homens e mulheres na condução do seu destino. Quando envolvidos no combate à pobreza, ao desemprego, à baixa escolaridade nos territórios de exclusão, verificamos sem surpresa que a esmagadora maioria das vítimas deste flagelo são mulheres. O peso da herança cultural que atribuiu a homens e mulheres papéis sociais tão distintos sente-se ainda de forma bastante sensível em todo o país. Apesar das mudanças significativas que marcaram os trinta e cinco anos de democracia são bem evidentes os sinais de discriminação e de desigualdade ditados pelos traços da diferença resultantes da construção social de género no trabalho, na família e na participação politica e cívica.

Trabalhar no contexto do Desenvolvimento Local sem ter em conta a dimensão de género resulta sempre num trabalho incompleto. As organizações e as iniciativas de Desenvolvimento Local estão cientes desse facto. São muitos os projectos e as intervenções centradas nesta dimensão ou que a integram de forma transversal. Gabinetes pela igualdade, materiais e recursos didácticos e pedagógicos para a conciliação, parcerias e agendas para a igualdade de escala local e municipal, parcerias transnacionais, troca de experiências, projectos de empreendedorismo feminino, são exemplos de projectos que podemos encontrar um pouco por todo o país, das aldeias do interior aos bairros suburbanos do litoral. Contudo, é preciso levarmos esta preocupação mais longe. Porque, derrubar estereótipos e comportamentos geradores de discriminação é um desafio permanente que apela ao espírito autocrítico mais profundo, importa interpelar os nossos mecanismos internos de organização, as nossas atitudes organizacionais, as nossas práticas profissionais e familiares de forma constante e activa. É preciso trazer cada vez mais esta reflexão e discussão para as nossas rotinas do dia-a-dia, para além do que é exigível pela dimensão da nossa intervenção.

Dedicar um número da Revista Vez e Voz à temática da igualdade de género é, neste sentido, consequência óbvia. Porque a (des)igualdade de género é uma questão de justiça e de democracia, é, naturalmente, uma questão de desenvolvimento.

David Marques

Data de edição

Dezembro, 2008

N.º de páginas

96

Suporte/Formato

Publicação

Um recurso da entidade

Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Classificado em

Publicações AnimarIgualdade de GéneroVez e Voz, Revista

Ficheiros: