Colóquio do CPA Autocaravanismo: uma mais-valia muito importante para o interior

21/02/2022 |
Colóquio do CPA Autocaravanismo: uma mais-valia muito importante para o interior

 

No Auditório da Nauticampo, na FIL, teve lugar, no passado dia 19 de fevereiro, o Colóquio “Autocaravanismo e Sustentabilidade”. A organização pertenceu à Associação Autocaravanista de Portugal – CPA, associado da ANIMAR com a participação de “Viagens e Companhia” e da Associação Portuguesa de Guias e Intérpretes.

 

A “Viagens e Companhia” resultou da necessidade de, um casal de autocaravanistas, a Cristina e o Eduardo, partilharem “as viagens que fazemos, as companhias e as pessoas que vamos encontrando e as amizades que vamos estabelecendo”.

Na sua intervenção, o Eduardo salientou que as áreas de serviço para autocaravanistas são fundamentais. “É importante que a área de serviço se situe perto da zona habitacional porque o autocaravanista gosta de interagir com o ambiente. Nós gostamos de ir ao mercado, ao comércio local, aos museus e monumentos. O autocaravanismo pode ser uma mais-valia muito importante para as zonas que estejam afastadas do litoral”.

Em relação ao equipamento de uma área de serviço Eduardo explicou que “não são precisos luxos. Basta que tenham uma torneira para água potável, uma torneira fazer as lavagens da sanita química (1) que é utilizada na sanita, um sítio para despejar a sanita química e outro para despejar as águas cinzentas (2)”. A Cristina, por sua vez, acrescentou que “as áreas de serviço têm que estar apetrechas com a separação dos lixos”. E continuou considerando que “o autocaravanismo é uma escola muito grande de aprendizagem de sustentabilidade e também nível de convivência e interação com os poderes e populações locais.

Da sua longa experiência de viagens pela Europa e Norte de África, no contacto com muitos autocaravanistas estrangeiros, Eduardo contou que quando estão com eles perguntam muitas vezes “então o que é que gostaram mais? E ficamos à espera que nos digam: do vinho, da cultura, da história, mas respondem-nos sempre: as pessoas. Portugal é um país que sabe receber bem”, conclui.

A segunda intervenção no colóquio foi a Associação Portuguesa de Guias e Intérpretes (AGIC). Esta Associação fez a apresentação de uma proposta de parceria à APC que visa a defesa da economia circular, economia local, produtos km 0 e a compensação das emissões CO2.

Resultado de um consórcio entre a Associação Portuguesa de Turismo Sustentável e a Federação Portuguesa de Associações de Proprietários Florestais, a proposta tem como objetivo a criação de uma plataforma com georeferenciação de áreas para plantação de árvores e locais para visitação. Destinada a autocaravanistas portuguesas (cerca de 6000) e estrangeiros (cerca de 150.000/ano), esta plataforma permite que estes possam fazer a compensação carbónica através da plantação de árvores.

No período de debate, Rui Narciso referiu que o CPA “foi pioneiro na compensação de CO2 em S. Pedro do Sul, tendo-se verificado a compensação com a plantação de árvores na Serra de S. Macário, vendo utilidade na aplicação informática proposta pela AGIC que forneça informação de as regiões e locais os autocaravanistas visitarem”.

Este colóquio teve o apoio da ANIMAR através do Projeto “Animar - Capacitar para Agir em Rede III” financiado pelo POISE/Portugal2020.

(1) Contactado posteriormente ao colóquio, o autocaravanista Victor Andrade, esclareceu que diz-se que a sanita é química porque leva um produto químico biodegradável que impede a fermentação. É o mesmo produto usado nas sanitas químicas dos aviões.

/2) Águas cinzentas são as águas provenientes da higiene pessoal e da cozinha.

Veja o vídeo do colóquio AQUI

Ficheiros:

fotografia 1 (5 MB)
Fotografia 2 (5 MB)
Fotografia 3 (7 MB)
Fotografia 4 (4 MB)