Autocaravanismo, turismo de base local

01/03/2021 |
Autocaravanismo, turismo de base local

A Direcção da Animar pronuncia-se a favor do autocaravanismo.

Autocaravanismo, turismo de base local

5 Razões PORQUE encaramos o AUTOCARAVANISTA enquanto fundamental para o DESENVOLVIMENTO LOCAL?

Tem seis milhões de pessoas a circular apenas na Europa, e:

- deslocam-se para territórios do interior, promovem a coesão territorial

- a sua estada é superior à média do turista convencional, o que gera impacto económico significativo e indispensável para o desenvolvimento dos territórios

- autocaravanistas estrangeiros pernoitam três meses maioritariamente no inverno, consomem e geram riqueza em épocas baixas

- os autocaravanistas circulam em territórios de baixa densidade combatendo o isolamento territorial, valorizando os produtos locais e contribuindo para as economias locais

- as autocaravanas são cada vez veículos mais sustentáveis, promovendo também relações de proximidade, geram relação com o local!

O autocaravanismo é um modo de turismo itinerante, não sazonal, que une pessoas com gosto pelo usufruto respeitoso da natureza, pela descoberta e pela liberdade, sendo o seu limite a capacidade de escolha e aventura de cada um. Pode corresponder a pequenos percursos ou a viagens constantes, correndo vários países e até vários continentes.

O autocaravanista é um amante da liberdade e da descoberta de lugares únicos, não segue as campanhas turísticas, mas os locais que lhe agradam, é um consumidor ativo a que à deslocação acresce os seus consumos domésticos habituais no local onde se encontra.

Com um crescimento significativo anual, estima-se em cerca de dois milhões e quinhentas mil o número de autocaravanas na Europa, (STATISTICS (e-c-f.com) o que representa cerca de seis milhões de pessoas que, aí, praticam este turismo não sazonal, verificando-se no nosso País um maior afluxo de praticantes estrangeiros no outono e inverno, onde por norma a sua estada é superior à média do turista convencional.

O autocaravanista português em idade ativa circula praticamente todos os fins de semana e os seniores ao longo de todo o ano.

É esse o espírito que leva o autocaravanista, à descoberta de aldeias, vilas e cidades participando em muitos dos eventos promovidos pelas mais diversas entidades locais.

Os autocaravanistas estrangeiros com estadas muitas vezes superiores a três meses, principalmente no inverno, representam um reforço significativo para a economia local em estação baixa.

Com a evolução da tecnologia, o veículo autocaravana está cada vez mais autónomo e com melhores condições de habitabilidade, apenas necessita de dois em dois ou de três em três dias, conforme o consumo de água, de ter acesso a um ponto onde possa despejar as águas sujas e reabastecer-se de água potável.

Este turista está organizado em instituições nos diversos países de origem que comunicam entre si disponibilizando todo o tipo de informação relacionada com o autocaravanismo. Tudo o que acontece, de imediato, é difundido pela comunidade.

Esta forma de organização permite uma relação direta entre quem produz o bem, seja ele material ou imaterial, e quem o consome. É um verdadeiro circuito curto com a vantagem de se relacionar com uma rede alargada, senão a nível mundial pelo menos de dimensão europeia, que para além do consumo tem também uma grande capacidade de promoção dos produtos. Assim quanto mais identitário/endógeno/distintivo for o produto maior a sua atratividade.

A recente introdução do conceito de pernoita no Código da Estrada (artigo 50º-A) vem eliminar todo este conceito e contribuirá para o desaparecimento progressivo desta atividade, em Portugal, prejudicando em milhões de euros as economias locais.

Numa altura em que o debate político se centra no desenvolvimento regional com destaque para os territórios de baixa densidade é um contra censo criar dificuldades ao acesso de pessoas a esses mesmos espaços.

A Direcção da Animar