CONFERÊNCIA ECONOMIA VERDE

06/05/2021 |

A conferência online que abordará o tema da ECONOMIA VERDE – O PAPEL DAS COOPERATIVAS PARA UMA TRANSIÇÃO ENERGÉTICA JUSTA, DEMOCRÁTICA E COESA é uma iniciativa organizada pela CONFECOOP em parceria com a linha de investigação de Economia Social do CEOS.PP/ISCAP do Politécnico do Porto, integrada num ciclo de conferências que tem como objetivo a capacitação das organizações cooperativas para os desafios que emergem do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

 

A CONFECOOP tem defendido em vários fóruns e sede de negociação a aposta num programa especifico para a Economia Verde, em particular, uma forte aposta na reconversão das frotas e na eficiência energéticas do edificado e equipamentos sociais. Nesse sentido, pretendemos abordar o papel das organizações cooperativas para a descarbonização da economia nacional e o contributo das mesmas para garantir uma transição justa, democrática e coesa.

Oradores convidados – Centro de Estudos Organizacionais e Sociais do Politécnico do Porto – CEOS.PP / ISCAP

DEOLINDA MEIRA (ISCAP) | ANA RITA ANTUNES (COOPÉRNICO) | MARTA MARIA MOTA (ISCAP)


Inscrições AQUI

Após receção da inscrição, ser-lhe-á remetido o link de acesso ao evento, que irá decorrer on-line.

Questões que queremos ver respondidas:

Qual o papel e o contributo das organizações cooperativas para a DESCARBONIZAÇÃO DA ECONOMIA NACIONAL? Como reduzir o consumo de energia primária nos vários setores num contexto de sustentabilidade e custo eficácia? A importância da aposta na eficiência energética e no uso eficiente de recursos? A importância de privilegiar a reabilitação, a renovação do edificado e a promoção de edifícios de emissões zero? A cooperativas como agentes ativo na descarbonização e na transição energética? Qual o contributo das cooperativas para GARANTIR UMA TRANSIÇÃO JUSTA, DEMOCRÁTICA E COESA? O papel das cooperativas na defesa dos grupos mais vulneráveis e na linha da frente do combate à pobreza energética, na criação de instrumentos para a proteção dos cidadãos vulneráveis e na promoção e envolvimento ativo dos cidadãos?